em branco

Vai ver ou vir?

Ei, olhe para mim
e imagine então como seria
passear pelos bosques da periferia,
desfilar nas passarelas que relam a rodovia
ou então voar pela avenida pendurado numa pipa
que mais parece um paraquedas, sustentando ideias velhas
quase sempre com varetas muito retas, muito mais fáceis de quebrar

Ou olhe pra ele
com um pouco de medo
ou vindo quem sabe do banheiro
mais alguma das histórias pelos cotovelos
de quem certamente já teve muitas pra contar,
só não desista de continuar pelos cantos do corredor
por mais que insistam ou implorem ou te peçam por favor

Agora olhe pra trás
e lembre-se da sua cidade
do que ela te traz como saudade
ou do que na realidade sempre foi ilusão,
pois que nesta nova incursão toda ação é reação
do que se tem vontade, basta assim muita coragem
força pra seguir viagem e tino aventureiro por superação

Mas olhe pra frente
coerente que: "sente que sim"
sem de repente "sentir-se que não"
e que se seu dia "vai e vem" e vê em vão
intermitentemente vai ver ou vir numa escada
descendo e subindo as plataformas de um terminal
sem que alguém te toque de nada, sem que toque um sinal

2 comentários:

Mariana Alves disse...

FANTÁSTICO!!

Paulo D'Auria disse...

Muito, muito bom, Guilherme!
Parabéns!!!