em branco

Viola no saco

Vou embora!
Enfiar a viola
no saco...
Sonhar com
Antonela...
com flores na cabeça!

Sim, senhora!
Andar por reinos
tão proibidos...
tão gélidos...
como um vôo noturno...

E quem sabe...
Usar o amor
que ainda não conheço...

Como para-quedas,
Nesta queda ignóbil...
Por estradas
Rumo ao desconhecido...

Tocando na viola...
A marcha funebre...
Da fé e da inocência!