em branco

saudosismo




Recentemente, comentando uma postagem minha, Luiz Pagano, do Capivara Paulistana, sugeriu, “Podiam proibir também a entrada das tempestades, permitindo apenas a volta da garoa à cidade.”

“Ê, São Paulo, São Paulo terra boa!” A sugestão marejou meus olhos. Confesso, sou saudosista.

Saudosista dos trilhos de bonde que por longo tempo resistiram inúteis em meio aos paralelepípedos da cidade – depois, cobriram tudo com asfato. Menino, íamos visitar uma tia que morava no Ipiranga, e eu freqüentemente me perdia em voltas neste bonde de imaginação.

Saudosista dos litros de leite entregues de madrugada à porta das padarias ainda fechadas. Ninguém mexia. Certa vez, vindos da balada, eu e meus amigos bebemos um. No dia seguinte, a padaria aberta, fomos pagar.

Saudosista da garoa, a última a partir. Morreu devagarinho, cada vez molhava menos.
Passei a última noite de garoa da cidade aos beijos na pracinha perto de casa com uma namoradinha da oitava série. Ah, fosse vivo, Adoniran tirava um samba desta noite.

Vou proibir São Paulo desta besteira de “vocação para o trabalho”, vou proibir São Paulo de crescer. Quero de volta aquela inocência, aquele espírito caipira sem o qual o paulistano nunca mais vai ser feliz!

Um comentário:

Caranguejúnior disse...

SP...
é igual a uma pessoa, deve estar agora na fase dos hormônios em fúria de uma jovem.

é bom ler textos assim, que contam estórias de um tempo bom que muitos não viram e nem vão ver...

Abraço Paulão