em branco

Eu te amo, São Paulo!

Vejo o horror
sujar a paisagem,
Marginais correm
ante o som vibrante
da sirene,
Homens-cinza como
os prédios que me envolvem,
cospem das mãos, rajadas de fogo,
Vermelho tinge o quadro,
Antes sem cor, frio, impenetrável
como o semblante
do vendedor de bilhetes
de loteria,
Vindo de meu querido
Bixiga ! Ô, meu!
Macarronada com porpeta!
Eu te amo, São Paulo!
Mas, quem vai livrá-la
da escória?
Na Av. Paulista,
me refugio no metrô,
Luta entre gangues
ou torcidas?
Dá no mesmo!
Eu te amo, São Paulo!
Só espero pela ultima chuva,
Decisiva,
Que irá limpá-la
de vez,
E poderei andar de novo,
Solitário, na minha terra da garoa querida!

Um comentário:

Caranguejúnior disse...

Apesar
dos
pesares
e
pêsames...

Sampa ainda é Sampa.

Massa Andrezão!

Abraço!