em branco

Papoetaria no MAM

O simpático MAM de São Paulo, que fica dentro do Parque do Ibirapuera, está realizando a exposição "Itinerários, Itinerâncias", um panorama da arte brasileira contemporânea. Entre tantas, algumas das obras que inspiraram nossos poemas foram as seguintes:

1º plano: "Partitura", de Cadu,
ao fundo, tela de Rodrigo Bivar

Fotomontagem sobre a obra
"Crisis de credibilidad" de Hector Zamora
















"As Rotas", Paula Sampaio

"As Rotas", Paula Sampaio














Jonathas de Andrade, "HoyAyer"

"Arquipélago #2", Pedro Motta










"Fala dos Confins", Virginia de Medeiros

Fotomontagem sobre a obra
"Planos Móveis" de Sara Ramo














Viver do avesso
Carolina Hermanas

Sente-se do lado contrário
Duma cadeira e me diga,
Qual é a sensação?

Deixe que o vento lhe
Trague uma rosa,
Antes que você
A roube da natureza.

Veja a lua decaindo,
Enquanto ainda é tempo,
Antes que caia e
Despareça.

Escute a suavidade
Da chegada dum trem
Que está de partida.

Vivendo com os pés na cabeça,
Num mundo diferente e surreal,
Mas afinal,
Quem não vive do avesso?


Pensamentos sóbrios
Caranguejúnior

1) (Crisis di credibilidad)
A rosa dos ventos
Também murcha
Quando os ventiladores do universo desligam
De tanto ventilar-dores...

Até o dia em que o vento forte da PAzzzz
Soprar de novo
Trazendo novos ares


2) (Arquipélago #2)
Um dia me encontrei
Ilhado... Entre avenidas
De um lado veículos
Do outro Automóveis
E eu, no meio daquela ilha de fumaça
Estagnado

[Foi aí que descobri como se sentem os postes]

Ilhado...

Na cidade, há tantas ilhas para admirar


3) (Planos móveis)
há muitas curvasretas no retocurvo caminho

de um poeta

4) (HoyAyer)
Os Paparazzi fotografaram a lua

Em sua mais completa intimidade
Na hora em que ela saia para desfilar

A fase é boa
Dessa lua NOVA, CHEIA de sonhos
Com um CRESCENTE futuro pela frente
Que esse mundo MINGUANTE
Teima em querer mudar...

5) (As Rotas)
As rotas foram traçadas por todos os lados

Evo(seMso)lução!
Progr- ESSO- SHELL- LUBRAX!
Des-envolvimento!

São tantas as rotas a seguir
Que acabo sem caminhos
Descaminhando pelas esquinas...


Cês num acredita em mim, não. Acredita em Deus*
*Citação da fala de um sertanejo retirada do vídeo "Fala dos Confins", de Virginia de Medeiros
Paulo D’Auria 

não havia placa que dissesse pra onde ir
eu estava no brasil
no coração
rasgado


a belém-bahia
a transAtlântica
a madeira-sé
a mala extraviada

a rosa dos ventos despontava em todas as direções
o trem ia e vinha
não reconhecia as estações

café-com-pão
amazônia / gran-pará / piauí
café-com-pão
amazônia / gran pará / piuiií

o trem ia e vinha
pra dentro
do coração
recosturado
(colcha de restos
e retalhos)

Um comentário:

Caranguejúnior disse...

!sateop oãs euq ageP