em branco

ROLÊ

Acendi uma vela
E fiz uma prece pra
SANTO AMARO
SANTA CECÍLIA

SANTO ANDRÉ


São Nunca
Que nunca me falte
SAÚDE ou SOCORRO


Desço a praça da
Em direção ao Sul
JAGUARÉ
Ou SUMARÉ
Já me encontro perdido
Em PERDIZES
Entre vários achados

Na VILA MARIA
MARIANA nem GUILHERME
Encontrei na VILA MADALENA

Me distraio com a
BELA VISTA
Da CACHOEIRINHA
E do CAMPO BELO

Do Alto da CASA VERDE
Vejo as motos
Mergulhando nas avenidas
Uns CARRÃO
E TATUAPÉ

De longe as buzinas
Incessantes
E daí se?
ITAIM BIBI, fofom, poooooommmmmm
Kabbuuummm...

Mais adiante
Respiro o ar quase puro
Debaixo de PINHEIROS cinzas
E fumaça preta

Na Marginal
Passa Fusca
Fiat uno
SANTANA
Passam trabalhadores
Acelerados...acelerando

A parada é dura
PARADA INGLESA
A barra é pesada
Na BARRA FUUUNDAAA
As seis da tarde

Quantos indo em direção
A LUZ
De certo que o PARAÍSO
É meio longe
E os Inferninhos lá na RUA AUGUSTA

Já pisei na CIDADE JARDIM
Arranquei uma flor
Do JARDIM IRENE
E plantei no JARDIM ÂNGELA
Para as mulheres guerreiras...

No JABAQUARA
Enchi a cara
Senti a falsa LIBERDADE
Fluir na cabeça

Copos de CONSOLAÇÃO
E um grito de IPIRANGA
De esperança...

Já deu minha hora
Vou embora pra BARUERI
O dia amanhecendo
E eu no TUCURUVI

Semana que vem
Novo rolê
Por aí...
Nessa louca REPÚBLICA





Caranguejúnior

2 comentários:

André HP disse...

Criativo. O Tom Zé tem uma música nessa linha - Augusta, Angélica e Conceição.

Abraço.

paranax disse...

Da próxima vez que for para SP vou levar esse poema(pa)! vibrações energéticas e eólicas das montanhas azuladas do sul das geraes!